Violência doméstica contra homens aumenta

Seis casos de violência doméstica contra homens foram registados no distrito de Castelo Branco.

O número de homens vítimas de violência doméstica aumentou quase 15 por cento entre 2013 e 2015, com mais de 1200 casos no País. Os dados são da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) que lançou uma campanha contra a vergonha em denunciar casos.

No distrito de Castelo Branco a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima identificou seis casos. No distrito da Guarda foram registadas cinco denúncias, números que contrastam com as 234 situações de violência doméstica contra homens sinalizadas em Lisboa e as 188 no Porto.

Apesar destas diferenças, a APAV considera que estes dados mostram que tem havido uma tendência crescente no número de casos de homens vítimas de violência doméstica que pedem ajuda. À Lusa, Daniel Cotrim, assessor técnico da direcção da associação, explicou que a APAV decidiu avançar com esta campanha especialmente direccionada para os homens porque este fenómeno também faz parte da realidade que compõe a violência doméstica.

As estatísticas da APAV revelam que, em 2013, 395 homens recorreram aos serviços da associação, número que caiu ligeiramente para 393 em 2014 e que chegou aos 452 em 2015. No total, neste triénio 1.240 homens pediram ajuda por terem sido vítimas de violência doméstica.

Segundo a associação, são sobretudo os homens mais velhos, com mais de 65 anos, as vítimas, representando 27,6 por cento do total. Já em 56 por cento dos casos denunciados, vítima e agressor têm uma relação conjugal. A APAV refere também que os casos de violência doméstica nos homens são sobretudo situações em que impera a violência psicológica, sendo que em 38,2 por cento dos casos denunciados houve maus tratos psíquicos e em 25 por cento maus tratos físicos, totalizando mais de 60 por cento dos crimes denunciados.

Relativamente às características do autor das agressões, os dados da APAV mostram que em 60,8 por cento dos casos são mulheres, com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos (32,2 por cento).

A propósito desta campanha contra a vergonha em denunciar, Daniel Cotrim sublinhou que a lei portuguesa não tem género e não discrimina quem quer denunciar situações de violência doméstica, apoiando tanto homens como mulheres. "É preciso que os homens se libertem deste peso do medo e da vergonha de pedirem ajuda, de terem medo de serem humilhados, de que não acreditem neles junto das autoridades ou das instituições", acrescentou. A campanha está disponível no site da APAV e na sua página de Facebook.

Radio Cario no Facebbok

Convento Belmonte

Convento de Belmonte