Balanço da actividade da Comissão Política Distrital da JSD "claramente positivo”

A vila de Belmonte acolheu na passada sexta-feira, o quinto Conselho Distrital da Juventude Social-Democrata (JSD) de Castelo Branco.

Com vários dos objectivos definidos na sessão magna anterior para a segunda metade do mandato, o balanço da actividade da Comissão Política Distrital foi, consensualmente, nas palavras dos conselheiros presentes, “claramente positivo”.

Em primeiro lugar, “a reactivação da concelhia de Penamacor veio reforçar a acção da JSD, agora em plena actividade em nove dos 11 concelhos do distrito e nas duas Instituições de Ensino Superior. Apesar do cenário de despovoamento do Interior, a consolidação e crescimento registados garantem o perdurar do funcionamento destas estruturas. É hoje também uma certeza que este alargamento não ficará por aqui”.

Em segundo, foi efectuada uma aproximação ao território “a realização do Roteiro de Proximidade e das Campanhas de Regresso às Aulas no Ensino Superior e no Ensino Secundário são prova disso mesmo. Mais de duas dezenas de dias investidos no contacto com as novas gerações deram à JSD a oportunidade de defender a redução do peso das mochilas e da carga horária lectiva, projectando a digitalização do ensino, “soft-skills” e educação não formal, bem como o complemento da acção social e a reorganização da rede”.

Em terceiro, foi alcançado também o desiderato de melhorar as condições administrativas e logísticas distritais, “com a nova sede do partido, a actualização dos ficheiros e documentos, bem como um eventual espaço de trabalho para esta juventude partidária”.

Em quarto, foi enaltecida a apresentação de propostas “para contrariar o problema demográfico e de coesão territorial, como aconteceu nas medidas entregues aos deputados da região no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 e do projecto político “Agora, o Interior” nos últimos meses”.

Ainda nesta análise da situação política, foi com regozijo que os jovens beirões receberam a notícia da previsão de encerramento da Central Nuclear de Almaraz até 2024 “esta era uma antiga pretensão e bandeira da JSD na região, que, desde 2016, exigiu o encerramento imediato destas instalações por diversas ocasiões, tendo inclusive trocado missivas com o Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes”.

O Orçamento de Estado para 2019 esteve também em debate.

“A promessa desleal de redução do valor das propinas no Ensino Superior sem rever a fórmula de cálculo do financiamento das instituições ou a resolução do problema do alojamento estudantil, que não afecta só os estudantes do Litoral, mas os do Interior que estudam deslocados nessas regiões, além de o Governo não compensar os 50 milhões retirados à receita das academias ou complementar as bolsas de estudo para uma maior equidade, tratando de forma desigual quem tem mais ou menos rendimentos, deixando milhares de estudantes totalmente desprovidos do devido apoio do Estado”.

De igual forma, o incremento do apoio a passes sociais nas áreas metropolitanas “parece um presente envenenado, quando temos um distrito com transportes públicos sofríveis, uma rede ferroviária ou rodoviária deficitária e com rotas não adequadas às necessidades da população. Os jovens laranjas referiram a dicotomia de um passe mensal em Lisboa tem um custo equivalente à vinda de um estudante ao distrito num único fim-de-semana, ou como um passe dentro do mesmo concelho tem o dobro do custo do litoral”.

Num distrito que reclama medidas sérias, sendo que boa parte das propostas até agora partem do estímulo ao emprego e aos incentivos para a fixação de jovens e casais, foi levantada a questão das condições das maternidades distritais e do acompanhamento pré-natal que, “sendo alvo de melhoria, alicerçaria igualmente a confiança dos jovens em fixar-se no Interior de Portugal”.

Houve ainda oportunidade de ouvir denúncias locais sobre o encerramento de serviços nos concelhos da região, “o mau funcionamento ou inactividade de vários Conselhos Municipais da Juventude e as fracas condições da Escola Frei Heitor Pinto, que aguarda as obras prometidas pela sua autarquia e que põem em causa o bem-estar, a aprendizagem e a segurança de todos”.

Os próximos meses deste mandato serão igualmente preenchidos, com o lançamento de duas academias piloto “Formação Autárquica e Democracias XXI” que possam ser replicadas no futuro, tal como a reestruturação da plataforma digital da JSD Distrital, “tornando-a funcional e de fácil edição” para quaisquer futuros dirigentes. “Até lá, será tempo de o projecto político debater a Reforma do Sistema Político e Reorganização Administrativa do Território, ultimando os preparativos para a recepção dos capítulos que irão compor o manuscrito com todas as propostas políticas produzidas”.